• 12/06/2016
  • Kazuo
  • Main Stage

Amon Amarth “Jomsviking” (2016)

Amon Amarth “Jomsviking” (Sony/2016): os suecos do Amon Amarth seguem firme com seu novo álbum “Jomsviking”. O novo trabalho sucede o bom “Deceiver of the Gods”, disponibilizado em 2013. O conjunto angariou boa popularidade, ocupando um lugar privilegiado no mainstream metal europeu atual.

Os integrantes do Amon Amarth. (Foto: divulgação)

Inicialmente desenvolvendo um death metal convencional, mas dotado de letras e temas vikings, o Amon Amarth obteve uma maturidade sonora peculiar, sobretudo após o bem sucedido “Twilight of the Thunder God” (2008). Um apuro melódico das guitarras se sobressaiu e influências do metal tradicional se tornaram latentes.

A banda se caracteriza literalmente enquanto “viking metal” e o novo “Jomsviking” trás uma proposta lirica conceitual, explorando aspectos da cultura viking comum no norte da Europa.

Jomsviking

O tracklist do novo álbum abre com “First Kill”, canção previamente divulgada ao lançamento do registro, e que contou com um vídeo clipe. A faixa é empolgante e lembra a faixa-título do citado “Twilight of the Thunder God”, a qual contava similarmente com um ótimo refrão seguido de uma melodia marcante de guitarras.

Twin guitars cristalinas da dupla Olavi Mikkonen/Johan Söderberg introduzem a emocionante “Wanderer”, que apresenta um estilo de composição cadenciado. A face agressiva ressurge em “On a Sea of Blood”, iniciada por um riff marcante numa canção na linha de “Live For the Kill” (“Twilight of the Thunder God”/2008).

Segue-se o tracklist com “One Against All”, a arrastada e épica “Raise Your Horns”, seguida de um momento de grandeloquência em “The Way of Vikings”. Temos ainda a tensa “At Dawn’s First Light”, conjugando um trabalho sombrio das vocalizações de Johan Hegg, à melodias de guitarras influenciadas pelo Iron Maiden.

Constam ainda a fantástica “One Thousand Burning Arrows”, “Vengeance is My Name” e “The Dream That Cannot Be”, com participação especial da cantora alemã Doro Pesch (ex-Warlock). O desfecho se dá com “Back of The Northern Shores”, com intento algo aproximado do doom metal, em alguns momentos.

O álbum foi mais uma vez produzido por Andy Sneap, num todo mostrando um Amon Amarth maduro, desenvolvendo um estilo homogêneo. “Jomsviking” já está disponível no Brasil em versão física.

Cotação: vale conferir.

+ Amon Amarth
Para ler sobre Deceiver of the Gods, clique aqui!

Veja o vídeo de “At Dawn First Light”

Comentários